sábado, 24 de outubro de 2009

O Governo Lula e a identidade do PSDB


Talvez o processo mais traumático que um indivíduo ou uma coletividade pode passar é o completo aniquilamento das bases que sustentam o discurso de sua identidade. Olhar para o espelho e não saber se quem é, é estar a beira do abismo. É não ter um caminho para o sentido de sua existência. É ser incapaz de responder a talvez mais importante questão humana, a saber, “quem sou eu?” ou “quem somos nós?”.

A coletividade que consegue elaborar com sucesso esta resposta tem um futuro longínquo (os Judeus são um grande exemplo disso), e a que não consegue está a um passo do desaparecimento. No plano individual responder essa pergunta é a base para a sanidade mental. Se o amigo leitor nunca passou por uma crise pessoal que lhe colocasse a frente com esse fantasma que eu narrei acima, experimente imaginar esta situação (mas não muito, não chegue muito perto do abismo porque e perigoso, vc pode não conseguir voltar), e aí vc poderá ter uma noção do que passa o PSDB.

O PSDB, assim como todo conservadorismo contemporâneo, criou sua identidade baseada na idéia de eficácia técnica. Acreditavam piamente que eram os portadores do saber técnico administrativo, que eles tinham a formação e o quadro técnico mais capaz (eficaz) de gerir o Estado. Assentados sobre esta ideologia tecnocrata acalentavam o maior sonho da direita, i. e., acabar com a política, no que esta representa a arena de conflitos. Sempre sonharam substituir o debate de valores e sentido do mundo, assim também como conflitos e demandas de classe, por equações e cálculos administrativos e econômicos que, segundo eles, seriam bons para todo mundo. Olhavam-se no espelho, e tinham a certeza de que viam a imagem de grandes tecnocratas, “experts” do gerenciamento do Estado.

Por outro lado, um modo eficaz para se construir uma identidade é criar um idéia do que é o “outro”. Inventando um “outro”, começa-se a desenhar a idéia do que “eu sou”, assim logo sou o “não-outro”, o seu oposto e sua negação. Desse modo o PSDB sempre acreditou que o PT de Lula, na melhor das hipóteses, seria um conjunto de indivíduos bem intencionados até, mas incapazes (por falta de eficácia técnica) de gerir um Estado. Os seus melhores quadros seriam tão somente um bando de voluntaristas, que queriam até o bem, mas não sabiam como fazer, acreditando apenas na boa intenção.

Neste caldo de formação de identidades estavam em jogo um serie de generalizações que formavam oposições entre esses grupos, que de alguma forma se personificavam nas figuras de Lula e FHC. De um lado a excelência acadêmica de FHC, do outro a baixa formação educacional de Lula; o porte e estilo “quase” europeu de FHC que seduzia nossa elite colonizada versus a figura mestiça de um retirante nordestino. Se buscarmos, podemos encontrar muito mais, como o racionalismo acadêmico do PSDB em contraposição ao sentimentalismo da esquerda católica que apoiava o PT etc.

Mas a verdade é que a história se mostrou muito diferente do que pensava o “experts” do PSDB. O governo Lula surpreendeu os mais otimistas, foi muito melhor não só naquilo que podiam se esperar (justiça social, interrupção das privatizações, ensino superior) mas também foi muito melhor nas áreas em que o PSDB construiu seu discurso de identidade. O governo Lula obteve sucesso na economia, na política internacional, no controle da inflação etc. e assim minou os pilares de sustentação do castelo de sonhos dourados do PSDB. O PSDB se encontra a beira daquele abismo que falamos no início do texto, não sabe por onde começar a reconstruir um discurso de identidade, não sabe o que dizer. . . justamente porque não sabe quem é.

16 comentários:

Roberto Torres disse...

O texto ficou perfeito. Acho que esta "tecnica e ciencia como ideologia" do PSDB na verdade marcou o espirito de uma epoca, que, talvez, possa ser superada com a volta na crenca que a politica nunca podera ser posta de lado pela tecnica. Eu mesmo durante algum tempo vivi esta descrenca.

Xacal disse...

Na veia...

Veja você, meu caro Brand, que acuados, à beira do precipício, os demotucanos dão mostras de desespero...o reflexo disso está nas pautas da mídia nacional...

engraçado é ver que até na "troca" de identidades que aconteceu com a chegada do PT ao poder, e a ida deles para a oposição, os petistas tiveram melhor desempenho...

é verdade que um bocado do ranço neoudenista que o PT utilizou como bandeira para auferir capital político, cobrou-lhe a fatura quando enfrentaram a necessidade de operar na realpolitik...
mas a existência de um projeto, associada a figura carismática do líder, recolocou nos eixos a trajetória...

já os demotucanos descobriram não saber fazer aquele "jogo da ética e da moralidade", ora porque não tinham projeto algum, ora porque seu passado não permitia...a direita nesse país nunca precisou de um projeto de disputa do poder, na medida que ela sempre personificou o próprio poder...

.....................

aqui, em Campos dos G., perigosamente, esse discurso tecnocrata encontra eco em alguns setores da sociedade, diante do esgaçamento das possibilidades de resolução dos conflitos pela política...

é isso que temos que refutar...

Brand Arenari disse...

Roberto, eu acho que todos nós de alguma maneira acreditamos nesta falácia. Desde a queda do muro de Berlim fomos bombardeados com essas idéias. A esquerda estava perdida, boa parte dos nossos professores que tinham sido de esquerda algum dia se envergonhavam de seu passado, crendo-se ingênuos. Esse sentimento se materializou na adesão a Habermas, formando uma típica esquerda envergonhada de seu passado. Esconderam-se na tendência conservadora travestida de meio-esquerda de Habermas.
E não custa lembrar que, governo Lula surpreendeu os mais otimistas.

Brand Arenari disse...

Xacal,
A direita brasileira (os demotucanos) só tem uma reserva de voto, baseada na coisa mais bacaca, ou seja, no preconceito e ressentimento de classe. Os que votam e defendem os demotucanos só tem um discurso além do udenista; raiva porque um homem de origem pobre e mestiça e sem formação governa o país muito melhor que um membro de suas fileiras.
Na verdade a crise de identidade não é só tucana, mas de toda elite conservadora.

E quanto a Campos, nem sei o que dizer. . . a situação é dramática, me causa muita tristeza. Ao olhar para o panorama político de Campos vejo um cenário amedrontador, como diria meu pai, é a sensação de estar “perdido no deserto com o cantil furado e a polícia no encalço”.

Abraço.

bill disse...

É um perigo ao país a "agonia" dessa ave. Ainda acho que a polarização PT-PSDB é o que há de mais moderno no Brasil em termos políticos. É perigos qualquer outro tipo de polarização com um partido mais a direita, o golpismo ainda ronda essa faixa política no Brasil.

Brand Arenari disse...

Bill, eu acho que tem muita gente no PSDB que, se pudesse (tivesse força), dava o golpe. E de alguma forma eles já tentam dar um golpe, mas não por via militar, mas pela imprensa. Essa é a forma moderna que eles tentam golpear.
Vale lembrar que o PIG insiste em chamar o Micheletti de presidente interino.
Abraço

bill disse...

Temos que lembrar Brand, que alguns membros do PSDB se manifestaram contrários a coisas como "fora Lula" após o mensalão, como foi o caso de Serra e Aécio, lideranças no partido. Lembrar que o PT puxou isto na época de FHC² (inclusive Lula ficou encima do muro), será que o PT é golpista?
Abraço.

Xacal disse...

Bill,

não tenha dúvida que o neoudenismo golpista sempre esteve presente em setores do PT...

alguns deles migraram para psol-pstu, outros, entortaram de vez, e compõe esse nefasto arcabouço pps-pv...

já uma minoria se encontra "chocando", ainda dentro do pt...

esse é um traço da nossa política, como, infelizmente, vemos...

abraços...

George Gomes Coutinho disse...

Bill,

Sem querer ser ingênuo, mas, há um notório amadurecimento do Partido dos Trabalhadores no que tange a sua própria concepção de defesa do Estado de Direito, das instituições e das "regras do jogo".

Eu participei da marcha dos 100 mil em Brasília em idos da década de 1990. A despeito da notável virulência discursiva eu não me recordo de ter escutado quem quer que fosse propagando um golpe de Estado enquanto solução. Havia o protesto, sim, o que não implica exatamente um plano prático para se derrubar quem quer que seja do poder. Algo diferente do empresariado, militares e conservadores em 1964.

Portanto acho que há de se diferenciar, embora pareça anacrônico, que é um golpe de Estado e uma revolução. Por mais que discorde neste momento, os companheiros pregavam algo próximo a uma "tomada do Palácio de Inverno" com a participação da classe trabalhadora.

Mas.. isso é outro papo...

Abçs

George

George Gomes Coutinho disse...

e a "tomada ao Palácio de Inverno" sempre foi uma algo minoritário, diga-se de passagem.. Mesmo a questão socialista na carta de fundação do PT envolvia, ao que me parece, uma disposição democrática. Mais Allende e menos Mao Tse Tung.

bill disse...

Caro George,

vamos lembrar que recentemente alguns deputados federais do PT proporam um referendo sobre o 3º mandato... inclusive um deles era aqui do Rio Grande do Sul... Houve sim, no fim da década de 90 uma campanha enorme no PT de "fora FHC", que não conquistou a massa, por isso ficou pela metade, como o fez o PSDB-DEM após o "mensalão". Não sei se chamaria "amadurecimento", acho que o PT está no poder e faz uso dos recursos que estão disponíveis, como a defesa da "democracia burguesa" recente, como recurso para a manutenção do poder. Estou de acordo com o Xacal, em relação a sua leitura do PT, isto me leva a pensar que tal "amadurecimento" não levou o PT a uma defesa irrestrita e generalizada da democracia como valor, não como recurso.
Abraço.

George Gomes Coutinho disse...

Bill velho de guerra,

Determinados apontamentos precisarão da história para serem comprovados.. OU então pesquisas mais "terra-terra" verificando esse uso instrumental de curtíssimo prazo ("eu defendo as regras enquanto me são convenientes").

Espero que vc não esteja correto neste ponto. Mas, decerto não posso afirmar nada por enquanto... Afinal... Vai que vc acerta na mosca?

Abçs

George

Roberto Torres disse...

Bill, eu discordo de voce que a polarizacao PT e PSDB e o que ha de mais moderno no Brasil. Decerto e o que faz o Brasil ser mais parecido com os EUA ou com a Alemanha, ou algo assim. Na verdade acho completamente inoquo esta diferenca moderno versus pre moderno. Tudo e moderno, inclusive o que alocamos semanticamente no campo da pre modernidade para continuarmos com uma visao positiva do moderno. Mas o ponto nao esse.

Acho na verdade que a polatizacao unica PT PSDB e muito ruim para a democracia, pois isto acaba concentrando as alternativas de poder em dois partidos que representam um mesmo processo de desenvolvimento: o de Sao Paulo. Nisto o PT e muito melhor, porque consegue se abrir um pouco mais e o proprio Lula em si e um questionamente da tese da "sao paulinizacao do Brasil".
abs

bill disse...

A expressão é "avançado", Roberto. Concordo que Moderno não caiba. A questão para mim de maior relevância nesta polarização não é de nacionalidade, mas de espectro político. Penso que ela leva o horizonte da política para o "centro-esquerda", promovendo deslocamentos em massa de partidos de "aluguel" para esta posição. Inclusive a direita, após PT e PSDB sabe que será difícil governar sem manter iniciativas implementadas por estes dois partidos. Acho isso um avanço.
George, concordo com você. Temos poucos indícios do que afirmo, mas acho que isso poderá ser verificado em um estado pós-PT...
Abraços.

Roberto Torres disse...

Bill eu ja acreditei mais que o PSDB pudesse participar deste consenso de centro esquerda. Ja gostei ate do Serra. Mas hoje vejo o partido cada vez mais parecido com o DEM. Tomara que as novas liderancas (Aecio, talvez) mostrem que eu esteja errado, pois seria muito bom que o PSDB caminhasse nesta diracao.

abraco

Brand Arenari disse...

Bill,
assim como o Roberto, eu não acredito numa certa tendência para a centro-esquerda no PSDB. A meu ver, o PSDB é cada vez mais um partido de direita, Demos e Tucanos não tem mais muita diferença. E eu reafirmo o que tentei dizer no texto, o PSDB é um partido estraçalhado ideologicamente, só resta ali ódio de classe aliado a ressentimento, não tem discurso nenhum. Eles se encontram num estado pré-político. Eles só fazem é arrebanhar os setores da elite e classe média que comungam desses sentimentos. Para mim esse PSDB que está aí não serve pra nada, por isso eu espero que ele se reinvente.
Mas eu vou além do meu texto. Na verdade o governo Lula não destruiu só a identidade do PSDB, mas toda ideologia paulista, logo o PT também foi atingido. Como Roberto vem falando, Lula rompeu com o modelo de esquerda que se construiu no PT (um modelo copiado da Europa) pra se aproximar cada vez mais de uma modelo de uma esquerda nacional, de moldes trabalhistas, muito próximo do que pensou Darcy Ribeiro.
O governo Lula mudou significativamente o cenário político do Brasil, esse negócio de PT-PSDB, ou seja, união da intelectualidade paulista, morreu! Esse sonho de consenso foi por água abaixo devido ao acirramento do conflito de classes gerado pela ascensão ao poder de um mestiço retirante nordestino miserável. O momento político no Brasil não é de consenso, mas de conflito. A próxima eleição será uma guerra nos moldes da de 89.
Abraço.